Dinâmica com poesia: RUA DESTRUÍDA

O material publicado neste post refere-se a uma sessão de aprendizagem, retirada do Manual do Instrutor  da Estação de Trabalho de Organização e Estética dos Ambientes , um dos componentes curriculares de uma versão alternativa do Programa de Educação para o Trabalho (PET)do Senac/SP. O programa é destinado a jovens em situação de busca do primeiro emprego. A versão alternativa foi criada pela Germinale não chegou a ser publicada e implementada na forma aqui apresentada. O excerto deve ser encarado como uma amostra do trabalho que pode ser desenvolvido pela Germinal Consultoria.

 

 

SESSÃO II. A BUSCA DE OUTRO OLHAR E DE OUTRO PERCEBER

Objetivos:

1. Iniciar o trabalho com a subjetividade, enquanto um dos registros ecológicos e uma das possibilidades de mudança ambiental, a partir da instauração de uma estranheza que faça rever as formas habituais de percepção.

2. Constatar e criticar a habituação do perceber.

3. Promover a abertura dos sentidos.

4. Fixar estratégias que possibilitem um olhar transformado e renovadas formas de perceber sobre os ambientes usuais e sobre os ambientes novos.

 

 Atividade  1 .  Rompendo hábitos de perceber

 “O hábito envolve o uso, que se transforma em usança e condiciona a habitabilidade urbana. Esse uso habitual torna ilegível o lugar urbano e inibe a locução verbal; ao contrário, para ler o ambiente é necessário romper aquele hábito e surpreender-se ante o local do dia a dia”. (Ferrara D’Alécio, Lucrécia, Olhar Periférico: informação, linguagem, percepção ambiental. São Paulo, USP, editora da USP, 1999, página 21.).

O coordenador inicia a sessão com a apresentação do segmento inicial do filme, dos irmãos Taviani, ”Pai Patrão”. No segmento, o pai ensina o protagonista a ouvir, no campo, os barulhos da noite. A sequência referida vai até o momento em que o garoto carrega a lata de leite. Usando de procedimento semelhante ao do filme (fechar os olhos, concentrar-se…) o coordenador orienta a audição dos ruídos habitualmente não percebidos na sala de aula.

Feita a experiência, o coordenador solicita comentários sobre ela. Articula esses comentários com o relato e discussão do exercício proposto no final da primeira sessão. A discussão gira em torno da percepção habitual e da percepção diferenciada. Sobre os motivos da habituação e sobre as possibilidades e formas de superá-la. 

 

Pondo poesia no olhar e olhando com poesia

 O instrutor projeta uma transparência com uma reprodução do quadro: Salvador Dali – Subúrbios da Cidade Paranóico-Crítica. Tarde nos Arredores da História Européia. 

Solicita, aos participantes, uma breve contemplação da reprodução do quadro e para que atentem para as sensações por ele produzidas. Distribui, a seguir, uma cópia do poema A Rua Destruída, de Pablo Neruda. A seguir, o coordenador divide os participantes em pequenos grupos (máximo de 4 integrantes) e solicita a leitura do seguinte texto:

A RUA DESTRUÍDA

Pelo ferro injuriado, pelos olhos do gesso

passa uma língua de anos diferentes

do tempo. É uma cauda

de ásperas crinas, umas mãos de pedra cheias de ira,

e a cor das casas emudece, e estalam

as decisões da arquitetura,

um pé terrível enxovalha as sacadas:

com lentidão, com sombra acumulada,

com máscaras mordidas de inverno e lentidão,

passeiam os dias de alta fronte

entre casas sem lua.

 

A água e o costume e o lodo branco

que a estrela desprende, e especialmente

o ar que os sinos têm golpeado com fúria

gastam as coisas, tocam

as rodas, detem-se

nas tabacarias,

e cresce o cabelo vermelho das cornijas

como um longo lamento, enquanto na profundeza

tombam chaves, relógios,

flores assimiladas no esquecimento.

 

Onde está a violeta recém-parida? Onde

a gravata e o virginal zéfiro rubro?

Sobre as povoações

uma língua de pó apodrecido se adianta

a romper anéis, a roer pintura,

fazendo uivar sem voz as cadeiras negras,

cobrindo os florões do cimento, os baluartes

de metal destroçado,

o jardim e a lã, as ampliações de fotografias ardentes

feridas pelas chuvas, a seda das alcovas, e os grandes cartazes

dos cinemas onde lutam

a pantera e o trovão,

as lanças do gerânio, os armazéns cheios de mel perdido,

a tosse, as roupas de tecido brilhante,

tudo se cobre dum sabor mortal

    de retrocesso e umidade e ferida. (…)

 

A Rua Destruída, Pablo Neruda (Neruda, Pablo, Residência na Terra – II, tradução de      Paulo de Mendes Campos, Porto Alegre, L&PM, 1980, p. 27)

 

Distribuídos em pequenos grupos, os participantes vão comentar as sensações produzidas pelo quadro e pela leitura do texto de Neruda. Comparam também pintura e poema, observando diferenças e semelhanças no tom e no conteúdo. Se necessário, o coordenador facilita, nos grupos, a interpretação do texto.

Após a apresentação dos comentários dos grupos, o coordenador instiga uma discussão sobre as formas de ver do poeta e do pintor e das possibilidades de ver o belo no cotidiano (Dali) e de transformar em beleza uma visão do cotidiano (Neruda). Promove, enfim, um debate que articule esse momento com o anterior (olhar habitual x olhar diferenciado).

Publicado on fevereiro 10, 2009 at 1:20 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://natrodrigo.wordpress.com/dinamica-com-poesia-rua-destruida/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: