CATAR FEIJÃO

 

 

 Sintético, seco e preciso. É assim que o poeta João Cabral faz a comparação do gesto de escolher feijão com o de escrever. O poema Catar Feijão é como uma aula de mestre sobre o cuidado na escolha das palavras para fazer a  lapidação de um texto.

Seguindo as instruções do mestre, uma situação de aprendizagem na oficina Comunicação Oral e Escrita, do programa de Aprendizagem Rural, foi construída a partir do poema Catar Feijão.

Catar feijão    

     1.
      Catar feijão se limita com escrever:
      joga-se os grãos na água do alguidar
      e as palavras na da folha de papel;
      e depois, joga-se fora o que boiar.
      Certo, toda palavra boiará no papel,
      água congelada, por chumbo seu verbo:
      pois para catar feijão, soprar nele,
      e jogar fora o leve e oco, palha e eco.
      2.
      Ora, nesse catar feijão, entra um risco:
      o de entre os grãos pesados entre
      um grão qualquer, pedra ou indigesto,
      um grão imastigável, de quebrar dente.
      Certo não, quanto ao catar palavras:
      a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
      obstrui a leitura fluviante, flutual,
      açula a atenção, isca-a com o risco.


   Melo Neto, João Cabral. Obra Completa, Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar, 1999.
  

Clique aqui para abrir a página CATAR FEIJÃO para redigir uma biografia, referente a uma sessão de aprendizagem da Oficina de Comunicação Oral e Escrita, Eixo I – Competências Básicas para o Trabalho,  dimensão Ser Pessoa,  do  Programa Jovem Aprendiz Rural.  O Programa foi totalmente desenvolvido pela Germinal Consultoria para o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) – Administração Regional do Estado de São Paulo, entre 2004 e 2006.

Anúncios