Edite

 

Paisagismo Brasil

Paisagismo Brasil

Desenvolver um programa de formação profissional para empregadas domésticas implica, necessariamente, entrar no  íntimo das atividades de uma moradia. 

 O poema Edite exalta a mulher simples imersa no mundo dos afazeres caseiros, lembrando detalhes, movimentos e cheiros característicos da rotina dos trabalhos.

Edite é quase uma fada dos serviços domésticos, cuja presença transcende, certamente, o simples fazer. Nesse sentido, o poema Edite foi usado como um cartão de boas vindas  à profissão de empregada doméstica, olhada de uma forma mais complexa e sensível do que o usual.

Com este poema de Cecília Meireles, o programa de Formação de Empregadas Domésticas do Senac/SP, elaborado pela Germinal Consultoria, foi iniciado.

 

EDITE

Cecília Meireles

 

Cantemos Edite, a minha loura, branca e azul,

cujo avental de linho é a alegre vela de um barco

num domingo de sol, e cuja coifa é uma gaivota

planando baixa, pelo quarto.

 

Cantemos Edite, a anunciadora da madrugada,

que passa carregando os lençóis e as bandejas,

deixando pelos longos corredores

frescuras de jardim e ar de nuvem caseira.

 

Cantemos Edite, a de mãos rosadas, que caminha

com sorriso tão calmo e palavras tão puras:

sua testa é um canteiro de lírios

e seus olhos, miosotis cobertos de chuva.

 

Cantemos Edite, a muito loura, branca e azul,

que à luz ultravioleta se converte em ser abstrato,

em anjo roxo e verde, com pestanas incolores,

que sorri sem nos ver e nos fala calado.

 

Cantemos Edite, a que trabalha silenciosa

preparando todas as coisas desta vida,

porque a qualquer momento a porta deste mundo se abre

e chega de repente o esperado Messias.[1]

 


[1] Poesia Completa/ Cecília Meireles. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. vol 1 – pag. 579

Anúncios