CONVERSA DE BOTEQUIM

 

 A oficina Prestação de Serviços de Salão e Bar, do Projeto Trilha Jovem, tem início com o processo de desenvolvimento da competência “atender o cliente”. E, logo de entrada, para aquecer um primeiro debate sobre o cliente, a sessão de aprendizagem apresenta a canção Conversa de Botequim, de Noel Rosa e Vadico. A ilustração é  alusão à própria canção, capa de LP de Moreira da Silva.

Conversa de Botequim

Noel Rosa e Vadico

Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa
Uma boa média que não seja requentada
Um pão bem quente com manteiga à beça
Um guardanapo e um copo d’água bem gelada

Fecha a porta da direita com muito cuidado
Que não estou disposto a ficar exposto ao sol
Vá perguntar ao seu freguês do lado
Qual foi o resultado do futebol
Se você ficar limpando a mesa
Não me levanto nem pago a despesa
Vá pedir ao seu patrão uma caneta, um tinteiro
Um envelope e um cartão
Não se esqueça de me dar palitos
E um cigarro pra espantar mosquitos
Vá dizer ao charuteiro que me empreste umas revistas
Um isqueiro e um cinzeiro
Telefone ao menos uma vez para 34-4333
E ordene ao Seu Osório que me mande um guarda-chuva
Aqui pro nosso escritório

Seu garçom, me empreste algum dinheiro
Que eu deixei o meu com o bicheiro
Vá dizer ao seu gerente
Que pendure essa despesa no cabide ali em frente

Se quiser conhecer a página que apresenta a descrição da situação de aprendizagem que utiliza a canção Conversa de Botequim como recurso, clique aqui. Trata-se de um excerto das referências para a ação docente, elaboradas pela  Germinal Consultoria .

UM BRINDE AO APRENDER

 

Este post, apresenta mais um poema enviado pela leitora, e já colaboradora, Maria Eliane Azevedo da Silva . Ele decorre da página : Envie suas experiência de aprender com poesia, onde incentivamos nossos visitantes a participarem da construção do blog. Recordando o texto da página:

Este blog apresenta experiências de aprendizagem que incluem poemas, de diferentes maneiras.

Ele está aberto para a participação de todos os visitantes que tem alguma experiência significativa de aprender com poesia, seja como professor ou como aluno/participante. 

Anime-se a divulgar a descrição de sua experiência de aprendizagem, incluindo a  poesia, enviando-a para: nataliarodrigo@germialconsultoria.com.br.

 

Um brinde ao aprender!

Na manhã…

No entardecer…

No anoitecer da vida!

Na complexidade da pós-modernidade…

Um brinde ao gesto,

ao eterno erguer as mãos

para aprender a aprender !

Aprender a coragem de se dar

de escutar

de falar

de silenciar

de comprometer com

a educação do olhar e para o olhar.

Aprender com poesia

A arte do eterno Conhecer,

Conviver, Fazer e Ser

Em tudo, entre tudo e contudo

Aprendendo…

Na sensibilidade ao essencial,

No encantamento…

Que abre os olhos

para viver e ser mais

vida na vida!

Olhando juntos na mesma direção…

Para o eterno aprender!

Maria Eliane Azevedo da Silva

06/09/2009

PADRÃO

 

 Padrão foi musicado por André Luiz OLiveira, juntamente com alguns dos outros poemas do livro Mensagem, de Fernando Pessoa. O CD Mensagem, da antiga Gravadora Eldorado, reúne os poemas que foram musicados, com interpretações memorávies de Elba Ramalho, Ney Matogroso, Gal Costa, Gilberto Gil, Elizeth Cardoso e outros,  resultando em uma obra magnífica. Assim, em situações ou dinâmicas de aprendizagem na empresa ou na escola, pode-se  optar por usar a música na interpretação de Caetano Veloso, disponível no CD.

Padrão fala da incompletude humana e da busca interminável que dela decorre. Por essa razão,  uma leitura ou a audição da música com o acompanhamento do texto do poema adequa-se muito bem para iniciar ou  finalizar a avaliação dos resultados de um projeto, por exemplo. O uso é especialmente recomendável quando o projeto foi desenvolvido com grande envolvimento e empenho da equipe executora. Mesmo que todos estejam muito satisfeitos com os resultados, não significa que o trabalho realizado foi perfeito. Padrão marca a conquista  e estimula a ir além. Prosseguir em busca do “porto sempre por achar“.

Por sua beleza excepcional e dificuldade do texto, Padrão pode ser também usado para exercícios de escutar com atenção. Após a devida preparação, incluindo uma breve discussão sobre como é difícil ouvir autenticamente, a música é posta para tocar e os participantes procuram ouvir a letra da canção. Depois de uma breve constação das dificuldades de cada um, recebem o texto do poema para que cada um possa avaliar o quanto conseguiu escutar.  Fora a surpresa da descoberta das dificuldades da audição, é comum o espanto dos participantes com a beleza de música e poesia.

PADRÃO

                                

 

O ESFORÇO é grande e o homem é pequeno.

Eu, Diogo Cão, navegador, deixei

Este padrão ao pé do areal moreno

E para adiante naveguei.

 

A alma é divina e a obra é imperfeita.

Este padrão sinala ao vento e aos céus

Que, da obra ousada, é minha a parte feita:

O por-fazer é só com Deus.

 

E ao imenso e possível oceano

Ensinam estas Quinas, que aqui vês,

Que o mar com fim será grego ou romano:

O mar sem fim é português.

 

E a cruz ao alto diz que o que me há na alma

E faz a febre em mim de navegar

Só encontrará de Deus na eterna calma

O porto sempre por achar.

 

 

Fernando Pessoa, Obra Poética, Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1986, p. 79

 

Abaixo, o poema Padrão pode ser ouvido na música de André Luiz Oliveira e voz de Caetano Veloso.

Um exemplo do uso didático do poema é encontrável no texto Falar e Ouvir, publicado no blog Germinal – Educação e  Trabalho, da Germinal Consultoria, e parcialmente republicado na página Ouvir com PADRÃO.

VERDADE

 

 O poema Verdade, de Carlos Drummond de Andrade, pode dar uma contribuição significativa no desenvolvimento das competências de tomar decisão em grupo, negociar e integrar idéias divergentes, ouvir atentamente opiniões e idéias diferentes, …

No poema,  o tema da relatividade e incompletude da verdade pessoal é posto de forma simples e sensível. Por isso, a poesia pode ser usada em diferentes situações de aprendizagem. Colocada no início da atividade, por exemplo, a leitura prévia do texto ajuda a atenuar os antagonismos e contribui para o fluir satisfatório do debate.

VERDADE

                                                  

 A porta da verdade estava aberta,

mas só deixava passar

meia pessoa de cada vez.

 

Assim não era possível atingir toda a verdade,

porque a meia pessoa que entrava

só trazia o perfil de meia verdade.

E sua segunda metade

voltava igualmente com meio perfil.

E os meios perfis não coincidiam.

 

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.

Chegaram ao lugar luminoso

onde a verdade esplendia seus fogos.

Era dividida em metades

diferentes uma da outra.

 

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.

Nenhuma das duas era totalmente bela.

E carecia optar. Cada um optou conforme

seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

 

 

                                           Carlos Drummond de Andrade