TEMPO REI

 

P. Cézanne, Rochedos em LEstaque

P. Cézanne, Rochedos em L'Estaque

 As idéias de transformação, mudança, renovação suscitadas pela letra da música Tempo Rei, de Gilberto Gil, são fonte de inspiração para um exercício de criatividade no programa Letramento Digital, destinado à inclusão digital de jovens e adultos com dificuldades de leitura e escrita. A utilização da canção popular é uma constante neste programa, que procura, permanentemente em seu processo, a  mobilização individual para a leitura e escrita, com utilização do computador.

Ao final desta página, há um link disponível para abrir a descrição da situação de aprendizagem que tem esta canção como recurso instrucional.

Tempo Rei

(Gilberto Gil)

Não me iludo
Tudo permanecerá
Do jeito que tem sido
Transcorrendo
Transformando
Tempo e espaço navegando
Todos os sentidos…

Pães de Açúcar
Corcovados
Fustigados pela chuva
E pelo eterno vento…

Água mole
Pedra dura
Tanto bate
Que não restará
Nem pensamento…

Tempo Rei!
Oh Tempo Rei!
Oh Tempo Rei!
Transformai
As velhas formas do viver
Ensinai-me
Oh Pai!
O que eu, ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo
Socorrei!…

Pensamento!
Mesmo o fundamento
Singular do ser humano
De um momento, para o outro
Poderá não mais fundar
Nem gregos, nem baianos…

Mães zelosas
Pais corujas
Vejam como as águas
De repente ficam sujas…

Não se iludam
Não me iludo
Tudo agora mesmo
Pode estar por um segundo…

Tempo Rei!
Oh Tempo Rei!
Oh Tempo Rei!
Transformai
As velhas formas do viver
Ensinai-me
Oh Pai!
O que eu, ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo
Socorrei!…(2x)

Á música pode ser ouvida no vídeo a seguir:

Para visualizar a sessão de aprendizagem, da etapa Criar, do projeto Letramento Digital, criado pela  Germinal Consultoria  em parceria com o Senac/Rio, clique aqui.

Anúncios

O NÚMERO QUATRO

 

QUATRO - pedra da Gávea

Pedra da Gávea

 Existem coisas que aparentemente não mudam. Determinadas estruturas sociais, velhos hábitos, determinados modos de pensar…

No entanto, as mudanças ao longo do tempo e em todos os âmbitos da vida constituem um fato irrefutável. Ainda que não se dê conta de quando ou quanto, ainda que não se acredite nelas ou não se lhes dê importância,  mesmo quando imperceptíveis no dia a dia, as mudanças acontecem.

Esse contraponto entre a aparente imobilidade e a mudança inevitável precisa vir  à baila sempre que se discute, na empresa ou na escola, paradigmas, estruturas ou formas de ser muito sólidas e estabelecidas.

O poema O Número Quatro, de João Cabral de Melo Neto, certamente é um bom ponto de partida para debates desse tipo. Também pode ser incluído em dinâmicas que tem a mudança como tema. Assim tem sido inserido em muitas situações de aprendizagem previstas e mediadas pela Germinal Consultoria.

     O NÚMERO QUATRO 

 

O número quatro feito coisa

ou a coisa pelo quatro quadrada,

seja espaço, quadrúpede, mesa,

está racional em suas patas;

está plantada, à margem e acima

de tudo o que tentar abalá-la,

imóvel ao vento, terremotos,

no mar maré ou no mar ressaca.

Só o tempo que ama o ímpar instável

pode contra essa coisa ao passá-la:

mas a roda, criatura do tempo,

é uma coisa em quatro, desgastada

 

                              João Cabral de Melo Neto